Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

Actualidade, livros, árvores, amores, ficções, memórias, maluquices, provocações, desatinos, brinca

segunda-feira, novembro 20, 2017

Bruno Maçães mostrou o pirilau, por fotografia, a Lily Lynch
-- e ela não gostou
[Isto segundo a Visão -- que eu não fui presenteada com a dita gaitinha e, portanto, não posso confirmar nem ajuizar porque terá sido que ela não gostou]


Ainda no outro dia eu soltava uma lagrimita virtual, com saudades dos queridos pafiosos de quinta categoria que durante uns anos alegraram a minha prosa. Enquanto os chefes Láparo & Portas faziam porcaria da grossa a torto e a direito, preocupando-me e irritando-me, uns quantos figurantes animavam os meus dias com as macacadas que davam à luz.
Não posso incluir a Marilu dos Swaps, o Gaspar pré-FMI, o Relvas antes e depois da pseudo-licenciatura, a Cristas do palavreado oco ou alguns outros que tais no grupo dos figurantes pois, pelos actos praticados, têm que fazer parte do naipe dos que por pouco não deram cabo do País. Deverão estar no pódio da nossa memória como alguns dos actores principais de uma desgraça que durou 4 anos. 
Referia-me eu a artistas como o Lombinha dos Briefings ou o Maçães das Polacas. 


Por não passarem de uns artolas que passaram pelo Governo sem terem dado uma para a caixa e, pelo contrário, deixando um rasto de nonsense, de ridículo, de incompreensão ('como é tal absurdo possível...?!' -- interrogavamo-nos de cada vez que apareciam), para sempre os veremos como o epítome do lado absurdo, burlesco e deslumbrado do passismo.

Muitas vezes aqui escrevi sobre Bruno Maçães: uma figurinha em bicos dos pés, fazendo-se passar por governante, sentindo-se importante. Um personagem cómico como vários outros do período negro que Cavaco Silva tão cuidadosamente protegeu. Qualquer coisa naquele Brunocas me fez, desde logo, perceber que estava ali um malandreco, mas um daqueles malandrecos de tipo cromo, bom para figurar numa galeria de patarecos mal resolvidos.


Foi, pois, sem surpresa que li a notícia:

Jornalista acusa Bruno Maçães de lhe enviar fotografias obscenas intimidatórias


(...) Bruno Maçães, ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus de Passos Coelho, foi hoje acusado de assédio no Twitter por parte de uma jornalista e o assunto está há várias horas a liderar os temas da rede social em Portugal. Lily Lynch, uma jornalista californiana co-fundadora e diretora do site Balkanist, alega que o antigo secretário de estado português manteve com ela conversas indesejadas que considerou assustadoras e que lhe enviou “dick pics” (fotografias explícitas de partes íntimas).(...)


E, francamente, só tenho pena que Lily Lynch não mostre as dick pics que o Maçães lhe enviou para eu poder ajuizar. Esta prosa poderia ser mais suculenta se pudesse ser abrilhantada com a imagem do pénis do ex-Secretário de Estado de Passos Coelho. Poderíamos, então, avaliar se seria coisa que impusesse respeito ou se teríamos que disfarçar o riso tal como o fizemos de cada vez que, na era passista, o víamos a armar-se em importante.



Assim, não posso adiantar mais nada. Só que estou solidária com a Lily quando ela se queixa:



A minha dúvida é a que é que ele se refere quando lhe responde, dizendo: uma coisinha frágil. Será que está a falar do seu little dick?

Na volta é. A desculpar-se. 

Enfim.

Este Maçães teima em não passar à história e continua a ser pelos mais hilariantes motivos. Ca ganda maluco.


A cabeça serve a Maçães para coisa nenhuma. E o pénis, pelos vistos, vai pelo mesmo caminho. 


.........................................................................................

E agora, caso queiram esquecer o troloró Maçães, convido-vos a descer até aos dois posts abaixo: as fotografias que fiz no Ginjal deram o mote.

.......................................................................